Testes rápidos têm 75% de chance de errar no diagnóstico positivos no COVID-19

Seguindo a recomendação da OMS, os testes rápidos só serve para profissionais de saúde como prevenção

0
174

O Ministério da Saúde detectou “limitações importantes” em 500 mil testes rápidos, fabricados na China, e pediu cautela a gestores do Sistema Único de Saúde (SUS) e aos promocionais na área da Saúde em aplicá-los. A desconfiança do governo federal surgiu após análise de qualidade de um laboratório privado, feita a pedido da pasta, apontar 75% de chance de erro em resultados positivos ou negativos para o novo coronavírus.

Assim o governo sugeriu que o produto seja aplicado somente em pessoas que apresentam sintomas do COVID-19 há ao menos sete dias, para evitar diagnóstico falso.

Técnico do Flamengo foi exemplo do erro do teste rápido

O técnico do Flamengo , Jorge Jesus foi detectado em um teste rápido como portador da doença. O Flamengo divulgou, no entanto, que o técnico Jorge Jesus fez posteriormente o exame em laboratório e constatou o resultado negativo para coronavírus.

Desde o anúncio do uso dos testes rápidos, o Ministério da Saúde já determinava que o produto seria aplicado apenas em quem está na linha de frente do combate ao novo coronavírus, especialmente profissionais de saúde por prevenção até o resultado de uma nova testarem por um laboratório.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) não recomenda o uso desse tipo de teste para toda a população.

Da Redação do Portal Itaperuna Notícias