Os estigmas do TDAH: por que ainda existe muito preconceito sobre essa doença?

Comportamentos do ator e cantor Fiuk no BBB 21 colocam no holofote os problemas ocasionados pela falta de informação e tratamento do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade

0
213

O BBB 21 vem chamando a atenção do público pelo comportamento de alguns de seus confinados desde o início do programa. Um deles é o ator e cantor Fiuk.

Recentemente, sua dificuldade em compreender as informações da Prova do Anjo, entre outras atitudes, virou motivo de meme na internet, além de várias manifestações, tanto dos próprios participantes que estão na casa, quanto da audiência nas redes sociais. Inconformada com a repercussão, sua equipe resolveu se pronunciar, dizendo que parte das dificuldades de relacionamento e até de entendimento se dão justamente porque ele é portador de TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade) e está sem medicação.

“Fiuk sofre de TDAH, depressão e ansiedade. O principal sintoma é a desatenção extrema, que pode resultar na impercepção de coisas ditas como óbvias por muitos do tribunal da internet que o julgaram ignorantemente após a prova do Anjo”, afirma o comunicado. Mas, de fato, o que é o TDAH? Segundo o médico psiquiatra e fundador do canal Saúde da Mente Marco Antonio Abud, existem três esferas que caracterizam o transtorno: a desatenção, a hiperatividade e a impulsividade. “Esse problema, se não tratado, pode levar a vários prejuízos pessoais, profissionais e a um nível de sofrimento gigantesco para o portador. Dificuldades extremas coma execução de tarefas simples do dia a dia, por exemplo. Se as pessoas que estão em volta não têm ciência do problema, muitas vezes surgem julgamentos como preguiçoso, não comprometido, desinteressado, falta de força de vontade, ou até mesmo caracterizado como uma pessoa incompetente”.

O psiquiatra lista 10 características comuns de comportamentos do dia a dia que podem caracterizar a presença do TDAH em um adulto:

1. Ocorrência de atrasos constantes;

2. Direção impulsiva no trânsito (com mais infrações, multas e maior risco de acidentes);

3. Falta de foco ao participar de reuniões longas, distraindo-se com outros pensamentos;

4. Cansaço intenso e distraibilidade ao ter que fazer tarefas não estimulantes;

5. Grande dificuldade com relacionamentos, pela dificuldade de escutar o outro e de se lembrar de compromissos;

6. Excesso de procrastinação para atividades consideradas chatas ou repetitivas;

7. Sensação de não conseguir relaxar, parecendo estar com o motor ligado o tempo todo;

8. Dificuldade para priorizar tarefas;

9. Explosões de raiva intensas e repentinas, que passam em minutos, agindo, depois, como se nada tivesse acontecido;

10. Desorganização extrema de objetos, roupas e outros itens do dia a dia.

Até bem pouco atrás, de acordo com Marco Abud, os especialistas apontavam que o TDAH só existia na infância. Mas hoje estudos já levaram essa teoria por terra. “Existem casos de TDAH que vão se manifestar mais tarde. É necessário que os sintomas estejam presentes desde antes dos 12 anos de idade, mas, em alguns casos, a criança e o adolescente usava a inteligência para superar os problemas de atenção. Mas, quando a pessoa se depara com as diversas tarefas e demandas da vida adulta, o diagnóstico fica mais evidente”

O médico destaca ainda outras atitudes que podem sinalizar a presença do TDAH em um adulto. “Existem vários adultos que só conseguem cumprir , com excelências, tarefas com prazo apertado, “na última hora”, o que leva a um gigantesco gasto de energia e sofrimento. Outros, terminam relacionamentos abruptamente, de forma impulsiva. Ou trocam de emprego sem planejamento devido a dificuldade em gerenciar emoções negativas e frustrações. Normalmente são pessoas inteligentes, muito capacitadas, mas sentem que não conseguem conquistar o sucesso e reconhecimento compatíveis com seu nível intelectual.”

O TDAH não tratado gera diversos prejuízos para o portador da doença, que são exacerbados com os estigmas e estereótipos presentes na nossa sociedade, como o que está ocorrendo com Fiuk. “A maneira como a sociedade sente prazer em brincar com a dor do próximo é devastadora. Os transtornos psíquicos e seus estigmas jamais devem ser motivos de zombaria”, reforça o comunicado da equipe.

Existem várias personalidades mundiais que assumiram publicamente que têm o transtorno e estão em tratamento. Celebridades como os cantores Adam Levine (Maroon 5) e Justin Timberlake e o nadador Michael Phelps mostram que o TDAH nada tem a ver com falta de capacidade. “Eles são exemplos claros de que pessoas com TDAH podem alcançar eficiência, prestígio e reconhecimento caso tenham tratamento”, conclui Marco.

Da Redação do Portal Itaperuna Notícias